Despreocupações e Desmotivações

Depois de várias coisas que aconteceram nos últimos meses comigo, parei, olhei pra trás e analisei o que fiz de errado nesses três últimos anos. Não o que fiz de errado na minha vida, por que no fundo eu não acredito em decisões certas e erradas, mas quais decisões que eu tomei que deram os piores resultados.

Descobri que minhas piores decisões foram feitas levadas por um estresse tolo causado por preocupações que nunca deveriam ter existido. Resolvi me livrar. Resolvi abrir mão de toda preocupação que eu conseguisse. Respirei fundo e deixei tudo pra trás o máximo que pude.

Relevei trabalho, deixei os estudos mais leves, apaguei os planos detalhados pro futuro, isso tudo tentando não me desmotivar. Continuo estudando, apenas não me mato por isso e continuo com ideais, só não estão devidamente traçados, já que tudo pode mudar de qualquer forma...

O problema é que conforme fui me preocupando, a importância das coisas aos poucos foi diminuindo. Afinal, você se preocupa com o que importa. Estou ficando nulo, vazio, apático, sem ideais. Literalmente desmotivado. Lutando contra a apatia que temia surgir, mas não sei se conseguindo...

E agora aqui, vazio. Desapeguei de redes sociais, perdi contato com as pessoas, falando apenas com aqueles que me procuram...

Talvez seja hora de voltar a cultivar a solidão. De me entregar pra uma verdade que à uma década eu tinha admitido pra mim mesmo, mas tinha esquecido e só hoje me lembrei, uma frase que sussurrei apenas ao Vento e à mim mesmo, mas agora a repito aqui para qualquer um que velha lê-la: "Eu nasci para viver e morrer sozinho".

E é isso.

Postagens mais visitadas deste blog

Regras para Namorar um INFP

Juvia

Oi, eu sou um INFP...