Bloqueio Ortográfico

Uma das coisas que eu mais odeio em mim é o fato de não conseguir dar o devido “valor” ao português. Assim, eu tenho uma noção muito básica e quase automática do português por ler livros e sempre escrever uma coisa ou outra (desde contos, poesias ou crônicas, até regras e coisas de RPG).

Exemplo. Se você me perguntar quando devo usar a crase eu vou dizer: “Quando eu achar necessário.”, e é assim com quase tudo que sei sobre o português. É inevitável. Tento me preocupar com a ortografia e com a norma culta da língua, mas sempre que escrevo qualquer coisa a minha maior preocupação é sempre uma só: “O que eu quero passar para o leitor com isso?”.

Não sou o tipo de cara que se preocupa com o que os outros pensam de mim ou de minhas opiniões, mas quando se trata de escrever, não adianta. Eu preciso deixar bem claro o quero passar. Na verdade, meu maior problema com ortografia nem é com qualquer texto meu, mas apenas contos ou similares.

Um desses problemas é meu livro que já está terminado, mas ainda fico querendo relê-lo para corrigir ortografia. O problema é que toda vez que o releio minha cabeça se preocupa com a descrição de cenários e personagens, se seus pensamentos e sentimentos estão descritos como quero ou se deixei alguma brecha terrível de enredo... E o português vai “pras cucuias”.

Que fazer? A lógica pede para contratar alguém que possa fazer as correções por mim, mas meus ciúmes não me permitem que qualquer pessoa (não importando o tamanho de confiança que eu tenha na pessoa) altere qualquer coisa em minha obra.

Acabo ficando sem solução. Acho que deveria existir um “Psicólogo Ortográfico” pra que eu pudesse curar esse meu bloqueio com o português...

Postagens mais visitadas deste blog

Regras para Namorar um INFP

Oi, eu sou um INFP...

recaída