Círculo Vicioso

Estou entendendo cada vez melhor meus problemas. Eu sou viciado. Não apenas em uma coisa, mas em várias.

Quando novo eu era viciado em jogos eletrônicos (videogames). Eles me davam uma satisfação pessoal instantânea, fácil e eu sou bom neles, não ótimo, mas bom o suficiente pra me orgulhar de alguns em específico. Eu cresci jogando jogos, entendendo, conhecendo e assimilando eles ao meu mundo, normalmente buscando formas similares de prazeres, fáceis, simples, banais.

Então eu conheci o RPG de mesa. Um jogo de interpretação. Uma abstração da minha vida. Conheci na época em que meu pai já estava doente, um pouco antes na verdade. Um "sonho" que eu poderia tornar mais "tangível", dar uma espécie de "definição", por mais sem sentido que fosse. E com a doença do meu pai e em seguida sua morte, se tornou uma fuga maravilhosa. Um refúgio num mundo perfeito onde eu poderia ser o que quisesse e fazer o que quisesse. Um sonho. Sonhar é bom, não é mesmo?

Com o tempo a satisfação do jogo foi esvaindo, mas eu tomei o papel de designer de jogo, alterando suas regras, modificando detalhes. Deixando o jogo mais como eu queria, mais simple, mais leve, mais rápido, mais versátil, mais descomplicado. Outros jogadores apoiavam, elogiavam, criticavam e eu melhorava ainda mais, mas eu nunca soube "o que" fazer com isso ou como direcionar isso de uma forma pra fora da minha vida. Menos como apenas um sonho, mais como uma carreira.

Com o acesso mais fácil à internet vieram os filmes e séries. Mais uma distração que se tornou uma abstração compulsória da minha vida. Maratonas de filmes e séries. Dos filmes mais desconhecidos, das séries mais esdrúxulas. Tudo sempre sem limites, sem horários, sem controle.

Por fim surgiu o artesanato. Sempre procurando uma tralha nova pra inventar, um aparato novo pra desenvolver dobrando e colando papéis aqui e ali pra fazer um apoio de celular, um porta caneta, uma caixa, um porta canivete. Mas dessa vez de forma diferente. Eu poderia mostrar pra alguém o que fiz e receber um "que legal", "que foda", "que bonito" em troca. Pelo menos é algo construtivo, é algo que explora minha criatividade (e realmente tem explorado muito), mas eu tenho que controlar isso, passar com isso por cima de tudo não resolve nada, só piora.

Assim eu criei meu círculo vicioso. Quando canso de RPG, não tenho como jogar ou inventar regras, procuro jogos eletrônicos. Quando canso ou não tenho jogos que queira jogar, assisto séries e filmes. Quando acabam as séries e filmes, invento artesanato. Quando termino o artesanato, volto a jogar e inventar RPG. E por aí vai. Sempre sem controle, sempre passando por cima de coisas mais importantes que não tomo por prioridades.

Mas agora sou pai de duas crianças. Está na hora de mudar meus hábitos. Já estou mudando, mas preciso melhorar. Estou correndo e fazendo trilhas. Agora vou adicionar estudos e leitura aos meus hábitos. Como também passar mais tempo com meus filhos. E, claro, trabalhar.

Eu já tentei fazer tudo isso, estou ainda aprendendo a me organizar e planejar. As vezes as coisas apenas... Dão tudo errado. Tenho uma recaída. Ou não tenho forças. Mas não desisti. Vai dar tudo certo.

Postagens mais visitadas deste blog

Regras para Namorar um INFP

Oi, eu sou um INFP...

Biblioteca do Caos