Cansado. Como sempre. Curioso como quando minha vida parece estar melhor, ou melhorando, surge uma barreira. Barreiras sempre surgem, né? Por que eu não sei lidar com elas? Por que tenho essa indisposição tão grande em confrontar as coisas? Por que tanta falta de motivação?

Sempre  "culpo" a morte do meu pai. Encontrar a morte cedo fez isso comigo. Pode ser que não tenha feito com a maioria das outras pessoas, mas comigo foi assim.

Desde novo sempre questionei os por ques da vida. Sempre. Por que o vento sopra? Como a borboleta voa? Por que usamos dinheiro? Por que existe a política? Por que deus existe? Se deus nos criou, quem criou deus? Deus tem pai e mãe? Se deus é tão poderoso por que demorou sete dias pra criar a existência? E por que ele descansou depois de tudo? Deus cansa? Mas ele não é onipotente então? Deus realmente existe? Se fomos feitos à imagem e semelhança de deus, por que somos tão imperfeitos e ele tão perfeito? Será que deus também tem imperfeições? Será que deus não seria apenas uma tentativa de responder a uma pergunta que não conseguimos entender? Será que tentar responder perguntas que não podem possuir respostas concretamente comprovadas tem algum valor?

Depois de muito tempo eu fiz o que todos fazem quando respostas verdadeiras e imbatíveis não podem ser feitas... Criei minhas próprias respostas baseadas em lógica meramente dedutiva.

Deus não existe. A religião é apenas um reflexo do nosso medo da morte e da nossa falta de propósito na vida como um todo. Não há céu ou inferno. Não há deus ou diabo. Há apenas a vida e a morte. E qual seria o propósito da vida senão apenas viver por viver e aproveitar o máximo dela? Nossas ações não são nada comparadas ao "oceano" que é o universo, elas afetam apenas ao nosso mundo e o mundo daqueles que nos acerca, pois toda pessoa é um mundo. Um mundo universalmente grande, do ponto de vista de um único expectador que acompanhe todo o decorrer daquele mundo. Porém um mundo insignificante do ponto de vista de toda existência que conhecemos (e talvez da que não conhecemos).

Existe um valor em testar responder perguntas que não podem ser respondidas concretamente e com comprovação. Um valor criado por aquele que cria a resposta, mas se você olhar a pergunta como um todo (e sua resposta) ela não é nada. Somos todos nada. Quer dizer, esse é o meu ponto de vista, por que eu criei o péssimo hábito de sempre olhar o cenário como um todo. Ao meu ver nós não somos nem nunca seremos nada.

Pense por exemplo, nesse exato momento quantas vidas estão "indo embora" de vários meios enquanto eu escrevo essas palavras. Quantas mulheres estão sendo violentadas. Quantas crianças sonham com o desejo de ter uma família. Quantos animais são caçados cruelmente pelos motivos mais ridículos, como virar pele, casaco e roupas. Minhas palavras aqui ajudam essas pessoas de alguma forma? Não. Você lendo essas palavras ajudam? Não.

Postagens mais visitadas deste blog

Regras para Namorar um INFP

Oi, eu sou um INFP...

Juvia