Meu primeiro ato de libertação foi o término com Giselle (minha ex).

Não lembro como foi, dia, horário, nem lembro direito as palavras.

Os dias que seguiram foram um desapego atrás do outro. Foi uma batalha longa e terrível, quase impossível contra mim mesmo. Ainda perdura, mas agora são lutas espaçadas, tranquilas. Me lembra Tai Chi.

Falando um pouco da relação eu cometi muitos erros, fiz sim coisas ruins e mesmo sabendo que meus atos foram apenas consequências de atos dela (da mesma forma que os atos dela também foram consequências dos meus e que assim, ambos tem culpa da mesma forma que ninguém tem), eu me sinto culpado.

Tenho um problema sério com culpa e mesmo já tendo pedido desculpa várias vezes ainda sentia bastante culpa até alguns dias atrás, mas meu desapego tem sido tão grande que eu finalmente me livrei dessa minha busca pelo perdão de pessoas que não sabem perdoar. Falo isso por que se ela me perdoou nunca comentou isso, mas enfim, é algo que depende só dela.

Mais alguns pontos a serem considerados sobre a relação, apesar dos pesares eu não me arrependo do namoro, foi muito bom, tanto pra mim quanto pra ela. Crescemos muito juntos, mas acredito que a partir de um determinado ponto só poderíamos crescer separados. Eu evolui bastante em mente e espírito. Cada dia um novo desapego e aprendizado. Gosto de lembrar dos bons momentos e esquecer dos ruins, das coisas que vi, ouvi e senti. Aprendi o que pude, perdoei tudo e segui adiante, como deve ser feito.

Admito que sinto falta dela por algumas coisas, como amiga e companheira, só não digo que como amante por que ando desapegado até disso, mas também gostava dela na cama. Haha. Sinto mais falta dos papos, dos momentos e similaridades. Tirando os papos e momentos fúteis, claro.

Acho que posso dizer que meu segundo ato de libertação foi o perdão. Perdoar é mais difícil do que parece. Mas aprendi. Você se liberta das coisas ruins. Isso é ótimo.

Já o meu terceiro ato de libertação, acredito que foi a despreocupação. Toda preocupação é inútil. Se você pode fazer alguma coisa pra resolver um problema, apenas faça. Se você não pode fazer nada, tente fazer o que não pode. Se nada der jeito aceite as consequências. Preocupar-se não adianta de nada. Com a despreocupação eu também redescobri a aceitação. Aceitar a vida, os problemas, as pessoas. Também é algo difícil, mas estou sempre melhorando o quanto posso.

E foi a partir dai que o desapego se tornou frequente em minha vida. Não sou nenhum santo. Ainda preciso melhorar muito de tudo que venho praticando, mas vou conseguir. Os dias vêm, os dias vão. Tudo muda e tudo é o mesmo. O que importa é que a vida é boa. ^^

Postagens mais visitadas deste blog

Regras para Namorar um INFP

Oi, eu sou um INFP...

Biblioteca do Caos